Começando com cervejas especiais

4071408305_49ba166c1d_m“Cerveja é tudo igual, basta estar gelada!” Aposto que muitos de vocês já escutaram ou pensaram isso. Mas o fato é que existe uma infinidade de cervejas bem diferentes entre si. E até bem pouco tempo atrás era difícil termos a disposição esta variedade no Brasil. Ficávamos restritos às pilsen (que na verdade nem pilsen são, mas American Standard Lagers) e uma que outra cerveja premium.

Mas a realidade está mudando, começamos a ter a disposição nas prateleiras dos supermercados e lojas especializadas uma série de rótulos diferentes, que podem causar uma certa confusão para quem não está familiarizado com cervejas especiais.

Então para tentar auxiliar um pouco os “perdidos”, nada melhor que sugerir 10 rótulos mais facilmente encontrados por aí, e que podem ser um bom começo para quem tem interesse em se aprofundar neste vasto mundo da cerveja. Então vamos lá (entre parênteses está o estilo):

Pilsner Urquell (Bohemian Pilsener): Nada mais, nada menos, que a primeira Pilsner do mundo, criada em 1842.

Duvel (Belgian Golden Strong Ale): Cerveja belga forte (com alto teor alcoólico), originalmente desenvolvida após a Segunda Guerra Mundial como resposta a popularidade das cervejas Pilsner. Lembra champagne. Bem carbonatada e com espuma única. Que tal uma de aperitivo no churrasco de domingo?

Eisenbahn Weizenbock (Weizenbock): Cerveja de trigo escura, forte e encorpada. Ideal para os dias mais frios. Recentemente recebeu medalha de ouro no WBA – World Beer Awards 2013. Experimente acompanhando um fondue de chocolate (pois é, cerveja combina com doces e sobremesas), tenho certeza que não vai se arrepender!

Colorado Indica (IPA): Uma excelente IPA (India Pale Ale) nacional. O estilo IPA leva doses maiores de lúpulo, então se você não está acostumado com amargor, prepare-se! Mas não desista no primeiro gole, tome pelo menos uns 2 ou 3 copos para ‘entender’ a cerveja! É bem possível que você não viva mais sem uma boa cerveja lupulada!

Coruja Alba (Weiss): Uma weiss um pouco mais amarga que o estilo recomenda, porém equilibrada e refrescante. Não deixe de conferir o aroma desta cerveja antes de beber o primeiro gole. Uma dica para aqueles dias chuvosos que ficamos em casa sem muita alternativa do que fazer, uma Weiss pode ir muito bem com bolinho de chuva!

Coruja Strix (Munich Helles): Versão pasteurizada da Coruja Extra Viva. É um pouco mais amarga e encorpada que as tradicionais, sabor maltado. Uma excelente cerveja.

Hoegaarden (Witbier): Trata-se de uma cerveja de trigo belga. Sua receita leva também raspas de casca de laranja e coentro, que lhe confere uma alta refrescância. Não se assuste com a turbidez, ela é assim mesmo!

Leffe Blond (Belgian Blond Ale): Outra belga muito boa e fácil de encontrar nos supermercados. Possui teor alcoólico de 6,6%, levemente adocicada e final seco.

Baden Baden Stout (Stout): Cerveja BEM escura, amarga e cremosa. Pense em café (sem açucar, claro). Cai bem com sobremesas e bolos a base de chocolate, principalmente o meio-amargo. Não é uma cerveja para se tomar vários copos, mas é interessante conhecer.

Heilige Red Ale (Red Ale): Cerveja premiada com medalha de prata para o estilo no I Concurso Brasileiro de Cervejas realizado em Blumenau. Encorpada com notas de caramelo. Sem dúvida uma boa pedida local, de Santa Cruz do Sul. Aliás, sempre é bom valorizar a cervejaria local, ainda mais quando possui bons exemplares como esta.

Para início, creio que a lista está de bom tamanho! Espero que apreciem!

Anúncios